Lucy concedeu uma entrevista e participou de uma sessão de fotos para a W Magazine, onde fala sobre Life Sentence, Truth Or Dare e mais. Confira traduzido abaixo:

Em seu filme de terror Truth Or Dare, que será lançado no próximo mês nos EUA, Lucy Hale terá sua mão esmagada brutalmente por um martelo, será stalkeada por forças malignas e ser possuída enquanto faz sexo, tudo em nome de um jogo assombrado, Verdade ou Desario. Assustador, certo? Bom, um outro projeto assustou a atriz de 28 anos recentemente – sua nova série de TV Life Sentence, que estreia na CW amanhã à noite.

É como o primeiro dia de aula,” Hale fala sobre começar uma série nova. “É apavorante. Nunca não será apavorante. A coisa boa é que é uma nova experiência para todos. Essa é a beleza disso. Estamos criando algo do zero. É recompensador.”

Na série, Hale interpreta Stella, uma jovem que vem vivendo sua vida sabendo que está morrendo de câncer terminal, apenas para descobrir que, ei, ela não está. “Ela é uma menina que passou os último oito ano da sua vida pensando que estava morrendo, então ela estava vivendo como se estivesse morrendo,” Hale explica. “Ela teve todas as coisas horríveis do mundo escondidas dela e viveu nessa falsa fantasia por muito tempo. No pilot descobrimos que ela vai viver, então ela tem que redescobrir quem ela é, e descobrir quem ela quer ser.

A estreia de Life Sentence marca o retorno de Hale para a TV depois de um ano do fim de sua famosa série Pretty Little Liars. “Foi meio, ‘Uau, TV de novo?'” Fala Hale sobre o rápido retorno as telinhas. “Eu fiz Pretty Little Liars por tanto tempo, mas minha coisa é que se fala com você e é um bom material e um bom papel, então não importa qual é a área de trabalho. Eu só vou fazer. Aconteceu de ser na TV de novo.”

Diferente de Pretty Little Liars, onde Hale co-estrelou com Troian Bellisario, Shay Mitchell e Ashley Benson, essa nova série está nos ombros da pequena estrela. “Foi um grande salto,” ela disse sobre não ter que dividir a tela. “É ir de uma série em grupo para algo onde estou em todas as cenas. Se a série for um fracasso será por minha causa, e se for um sucesso será por minha causa. É muita pressão.”

Se alguém sabe sobre os holofotes, é Hale. Nascida em Memphis, Hale teve sua primeira prova da fama como uma das ganhadoras do spin-off do American Idol, American Junior, antes de se mudar para Los Angeles aos 15 anos para correr atrás da carreira de cantora. Hale logo atraiu a atenção pela atuação, aparecendo em algumas séries como The O.C., Drake e Josh e Feiticeiros de Waverly Place, e estrelando na série que foi curta, mas muito amada, Priviledged. Foi alguns anos depois que ela foi escolhida como Aria Montgomery em Pretty Little Liars, que catapultou seu estrelato a um novo nível graças ao público devoto da série.

Hale estrelou na série por sete anos, deixando-a em uma encruzilhada quando a série veio ao fim no ano passado. “Eu fiquei meio, ‘Oh meu Deus. Isso é realmente o fim. O que eu vou fazer? Qual o próximo passo?'” ela lembra. “E honestamente, por um tempo eu achei que ia dar uma pausa antes de dar o próximo passo.”

Como ela mesma fala, Hale não consegue ficar parada. (“Eu amo trabalhar, amo estar ocupada,” ela declara.) Ela voltou das filmagens de Truth Or Dare, que estreia nos cinemas americanos no dia 13 de abril. “Nem me fale sobre gravações loucas,” ela diz sobre o filme de terror. “O modelo da Blumbouse Productions [mesma dos filmes Corra! e Uma noite de crime] é que eles pegam um script, fazem por alguns milhões de dólares, e é como jogar espaguete na parece. Se grudar, eles promovem. Não tínhamos ideia se o filme ia ser escolhido e lançado enquanto gravávamos. Foi uma gravação agitada e louca. Tem muita energia – você está sempre correndo, gritando, chorando. Valeu a pena. Foi muito bem.”

Há vários gêneros que Hale espera explorar enquanto sua carreira continua se abrindo. “Eu amo filmes com personagens marcantes. Lady Bird é um projeto dos sonhos,” ela diz. “Não que eu não goste de blockbusters. Se alguém me chamasse e dissesse, ‘Quer estar em Mulher Maravilha 2? É claro.”

Mas até que Themyscira ligue, ainda tem Los Angeles, que Hale começou a chamar de casa depois de ter crescido no Sul – fora um susto recente. “Minha casa foi invadida recentemente… Foi estranho,” ela diz. “Mas é uma dessas experiências que te deixam mais humilde e te fazem reavaliar o que é importante para você. Estou tentando ver isso com esses olhos. Com sorte todos estão a salvo e nada horrível aconteceu.”

Ela se sacudiu com o pensamento, optando por focar no positivo. “Eu amo minha vida em LA agora,” ela continua. “Eu me mudei pra cá muito jovem com a minha mãe, e por muitos anos era só eu e ela, e éramos nós contra o mundo e eu não conhecia ninguém. Eu tive amigos mas não confiava neles realmente e fizemos escolhas ruins. Foi aquela fase, e agora estou na fase onde minhas prioridades são diferentes. Eu cuido de mim mesma. Eu vou fazer 29 anos em junho; uma reviravolta doida aconteceu. Eu não saio mais. Minha coisa favorita é ficar em casa.”

Sendo isso suficiente, você não vai ter fotos de Hale saindo de uma boate na internet. “Acho que tem essa noção preconcebida que todas essas festas são glamourosas e divertidas, mas é meu pesadelo,” ela diz. “Eu tenho uma ansiedade social, mas não é o que você imagina ser.” Ao invés disso, Hale mantém um grupo de amigos próximos que estão na indústria, mas em lugares diferentes atrás da câmera. “Eu quero me cercar de pessoas que são reais e gostam de mim por quem eu sou e não ligo pra mais nada,” ela diz. “Não vamos dizer que atores são cuzões, mas é que eu tendo a gravitar mais para as pessoas que são criativas e trabalham duro mas acaba que eles estão atrás das câmeras.”

Há também seus antigos colegas de PLL, que Hale diz que conversa “de vez em quando.” “É muito legal ver todos fazendo suas coisas,” ela diz. “Todos começamos juntos e agora estamos todos em lugares diferentes em nossas carreiras. É ótimo. Eu falei com a Sasha outro dia, ela está para começar o spin-off, o que é muito excitante e estou muito feliz por ela.”

Aí fica a pergunta: Agora que Hale está em sua nova série, ela retornaria para Rosewood? “Talvez,” ela considerou. “Eu não sei o que esperar disso… Mas eu nunca digo nunca para nada.”

Fonte: W Magazine

Confira as fotos da sessão de fotos em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

WMagazine2018-001.jpeg WMagazine2018-002.jpeg WMagazine2018-003.jpeg WMagazine2018-012.jpeg

Lucy concedeu uma entrevista para o TV Insider, onde fala sobre se ajustar a uma série nova depois de passar tantos anos em Pretty Little Liars. Confira traduzido abaixo:

Depois de sobreviver ao assassino “A”, Lucy Hale está pronta para pegar o grande C em Life Sentence, uma dramédia familiar.

Hale estrela como Stella Abbott, uma jovem que ganha uma segunda chance depois de descobrir que ela venceu o câncer que vem lutando desde a infância. A personagem é uma amostra dos charmes nativos de Memphis e demonstra o poder de viver como se estivesse morrendo… Mesmo quando você não está morrendo.

O script deve ter sido muito especial para você sair de sete temporadas de Pretty Little Liars para outra série.
Lucy Hale: Durante os dois últimos meses de Pretty Little Liars, eu me encontrei com o produtor executivo Bill Lawrence e os criadores Erin Cardillo e Rich Keith, que escreveram o script. Mas fazer mais TV pareceu um pouco demais. Então terminamos de filmar, eu li o script e em 30 minutos, eu estava ligada a essa série.

Agora você faz um tipo diferente de drama! Como é isso?
LH: Eu estou costumada a correr na floresta gritando e ser ameaçada por mensagem. Foi realmente divertido fazer comédia aqui.

Ainda sim tem um drama pesado nos flashbacks de quando Stella estava doente. Você faz um trabalho de quebrar o coração.
Tiveram alguns momentos realmente fundamentais que eram quase insuportáveis de interpretar. Especialmente quando eu estava assistindo Dylan Walsh, que interpreta meu pai, ter que olhar essa menininha morrendo de câncer. Quebra seu coração em milhões de pedaços. Quando você não save se vai acordar amanhã, é um novo nível de dor e drama. Tivemos que ter um pouco de pesquisa na alma. Eu queria fazer justiça, porque eu, batendo na madeira, nunca tive que lidar com nada disso. Eu posso imaginar o quão difícil é.

Você tinha planejado fazer outra série?
Eu sabia que meu próximo passo era importante mas eu não tinha ideia que seria outra série. Sabe, eu li o script e eu me apaixonei por ela. Era um mundo que eu queria viver e queria trazer essa personagem a vida. Indo de uma série para outra onde está tudo nos meus ombros é um pouco desesperador, mas eu sou grata pela oportunidade. Estou animada para todos conhecerem a Stella e espero que amem ela tanto quanto eu.

O tom dessa série é tão diferente de Pretty Little Liars, deve ter sido uma mudança e tanto.
Nem me fale! Não que eu não seja grata pelos oito anos que tive em PLL… É claro que eu sou. Mas depois de fazer algo por tanto tempo, foi muito legal pisar fora daquela caixa e fazer uma série completamente diferente. Isso é, você sabe, o fim oposto do espectro. Foi muito divertido interpretar com a comédia e eu tenho um aspecto de voz na série, o que é divertido. Você está sempre ouvindo nosso monólogo interno. Ela é muito peculiar e divertida de interpretar. Vem sendo um desafio legal.

Stella é realmente peculiar.
Ela está lá, e eu acho que parte é porque ela foi protegida do mundo real por tanto tempo enquanto estava doente. Sua família queria dar a ela a vida perfeita, e assim que ela recebe a segunda chance, ela descobre que o mundo real é muito desanimador – não é só desenhos animados e arco-íris. Acho que Stella está descobrindo isso, quando ela estava morrendo, ela sabia exatamente quem ela era. Agora que ela vai viver, ela não tem ideia de quem é.

Você parece ter caído em uma posição onde ainda tem os melhores figurinos da TV.
Quer dizer, eu sou a menina mais sortuda do mundo ou o que? Com Aria, eu ficava meio, ‘Eu nunca vou ter um guarda roupa tão divertido,’ mas Stella é uma concorrente de peso. Elas são muito fofasm não vou mentir.

Você também tem um filme de terror com Tyler Posey chamado Truth Or Dare que vai sair logo certo?
Oh sim, Tyler e eu ficamos nesse Teen Wolf versus PLL! Foi muito bom. Foi um filme — de gravar, e eu acho que vai ser muito divertido de assistir. É bem bizarro.

Então, oito anos em Rosewood no lote da Warner Bros, então você do nada está em Vancouver. Qual foi a maior mudança que você teve que passar?
Oh, o tempo, vamos ser realistas. É muito mais frio em Vancouver do que em LA! Mas honestamente, por quase dez anos da minha vida, eu vivia a 15 minutos de onde eu trabalhava. Eu acordava, ia para o lote da WB e ia para casa. Essa foi minha vida por basicamente todos os meus vinte anos.

Então, essa série me levou para uma nova cidade, uma nova personagem, com novas pessoas e um país diferente. Tiveram muitas mudanças, mas eu senti… Me senti como Mary Tyler Moore, como se o mundo fosse minha ostra. Foi muito excitante e foi uma grande metáfora para esse novo capítulo da minha vida.

Fonte: TV Insider

Lucy concedeu uma entrevista ao New York Post onde fala sobre a diferença de Life Sentence de todos os anos que ficou em Pretty Little Liars e porque decidiu pegar o papel. Confira traduzido:

O papel de sucesso de Lucy Hale em “Pretty Little Liars” consumiu grande parte dos seus 30 anos – e é por isso que ela queria que sua próxima série fosse muito diferente.

“Quando você é parte de algo por tanto tempo, acho que as pessoas meio que te classificam,” diz Hale, 28 anos, que estrelou o drama da ABC Family/Freeform de 2010 a 2017. “Muitas das coisas que vinham ao meu encontro eram ótimas mas muito parecidas com PLL: Um mistério ou a morte de uma menina ou a menina fugindo. Depois de oito anos fazendo tudo isso, eu queria fazer algo completamente oposto.”

O oposto acabou sendo a dramédia da CW “Life Sentence”, que estreia nesta quarta. Conta a vida de Stella, uma paciente com câncer que vive cada dia como se fosse seu último. No primeiro episódio, Stella descobre que está curada – mas ela também descobre que, em um esforço de manter seus anos doente interessantes, sua família vinha guardando muitos segredos dela.

“Já vimos todos os filmes clichê sobre câncer, e normalmente já sabemos o final,” diz Hale. “E então os criadores [Erin Cardillo e Richard Keith] disseram, “E se pegarmos essa ideia e virar de cabeça para baixo? A menina não morre, mas precisa viver com as escolhas que fez enquanto vivia pensando que ia morrer.'”

A preparação de Hale para “Life Sentence” foi fácil por sua familiridade com o assunto; ela é fã do gênero de filmes que trata de câncer. “Eu amo esses filmes como ‘The Fault in our Stars’ e ‘Me and Earl and the Dying Girl’ e ‘Sweet November’, e um clássico com o Keanu Reever,” ela diz. “E eu cresci em Memphis, a casa do Hospital St. Jude. Eu já fui lá dezenas de vezes.”

Já que ela estava habiatuada com a maioria dos assuntos da série, Hale ficou em sua pesquisa das gírias médicas. Ela ficou surpresa de descobrir que a cura da Stella não é fictícia.

“Eu não percebi que viroterapia oncolítica era uma coisa real,” ela diz. “É muito rara, mas o que eles fazem é infectar o paciente de câncer com uma doença que normalmente é perigosa para os humanos. Mata as células de câncer mas deixa as células boas. Eu li vários artigos sobre isso. É maravilhoso.”

Hale diz que espera que “Life Sentence” atraia uma mistura de público entre os fãs de “Pretty Little Liars” e novos telespectadores.

“O que era tão maravilhoso sobre PLL é que a fanbase é tão apaixonada e apoiadora,” ela diz. “Então estou esperando muito desse público. Mas a série é sobre uma família disfuncional, então eu espero que atraia novos telespectadores.”

Hale já estava ligada a “Life Sentence” durante a temporada final de “Pretty Little Liars”, que foi ao ar em junho do ano passado.

“Eu me apaixonei instantaneamente,” ela diz. “Foi assustador dar esse mergulho [entrar em uma nova série], mas estou feliz que fiz isso. Vem sendo o maior desafio que já encarei – é o maior peso nos meus ombros e o mais ocupada que já estive.”

“Eu nunca trabalhei tão duro por algo antes.”

Fonte: New York Post

Na manhã e tarde de sábado (3), Lucy participou da Goodbye Con, que aconteceu dos dias 2 a 4 de março em Milão, na Itália. Além de Lucy, Tyler Blackburn e Janel Parrish complementavam o elenco de Pretty Little Liars. Lucy participou de atividades com os fãs durante todo o sábado, mesmo tendo passado mal (provavelmente jet-lag). Confira abaixo fotos e vídeos do evento:

APARIÇÕES EM EVENTOS – EVENTS & APPEARANCES > 2018 > 03/03 – GOODBYE CON IN MILAN – PANEL

DXYBFvdWsAEJo3y.jpg  DXYBFvpW0AAeWOi.jpg DXX47JFX4AMZR5z.jpg DXX1PTLX4AAbkJ7.jpg

APARIÇÕES EM EVENTOS – EVENTS & APPEARANCES > 2018 > 03/03 – GOODBYE CON IN MILAN – PHOTO-OP

DXce1lyX0AE8XrY.jpg DXce9H1WAAAyYbc.jpg DXcemmeXcAApsO-.jpg DXYNaHVW4AETCtD.jpg

Confira abaixo alguns vídeos do evento:


 

Lucy estampa a capa da edição de outono da revista australiana Girlfriend, onde conta detalhes sobre seu novo filme Truth Or Dare, com estreia prevista no Brasil para o dia 3 de maio de 2018. Confira traduzido abaixo:

Desde que Pretty Little Liars acabou ano passado, estamos esperando para ver o que Lucy Hale fez a seguir. Agora ela está chegando as telonas no filme de terror Truth Or Dare, e mal podemos esperar. Ela senta com a GF para contar todos os seus segredos.

Vimos o trailer de Truth Or Dare e estamos apavorados! O que você pode nos contar da história?
É sobre um grupo de amigos que ficam presos nessa situação de vida ou morte durante um jogo de verdade ou desafio. Começa com a gente indo juntos para a faculdade e então andamos com um cara errado que apresenta o jogo pra gente, e quando as pessoas se recusam a jogar, elas começam a morrer. É bem obscuro e sinistro, mas minha personagem é a heroína do filme.

Você recebeu várias ofertas de filmes, o que a fez dizer sim para esse?
Eu li o script e parecia muito divertido. Eu sabia que tinha um ótimo elenco e para mim foi o certo. Eu também amei a personagem – ela literalmente tem que por sua vida em risco pelos seus amigos. Então é sobre o jogo verdade ou desafio, mas a história por trás é sobre amizade.

Tyler Posey é um dos seus colegas de elenco e vocês trabalhando juntos é como um crossover dos sonhos entre PLL e Teen Wolf. Isso ocorreu em algum de vocês?
Sim, foi divertido porque eu nunca tinha encontrado o Tyler antes, mas obviamente PLL e Teen Wolf foram grandes sucessos, e especialmente com elas passando ao mesmo tempo, tinhamos vários fãs que amavam as duas séries. Ele é muito pé no chão e um ótimo rapaz. Houveram muitas brincadeiras relacionadas a PLL e Teen Wolf!

Em PLL você interpretou uma vítima e nesse filme você se torna uma das vilãs. Foi divertido ser a malvada?
Sim, então, nesse jogo de verdade ou desafio, as pessoas que jogam são possuídas por esse demônio. É bem histérico de gravar porque quando o demônio possui os personagens, eles ganham esses grandes sorrisos no rosto. Então tivemos que gravar essas partes com nossos queixos sendo puxados para nosso peito e sorrir o mais aberto que pudéssemos. Foi tão fora do comum e ridículo.

Qual foi sua reação vendo seu rosto daquela maneira?
Foi meio assustador. Eu já pareço um personagem de desenho de qualquer maneira, mas foi muito sinistro!

É quase como se tivessem aplicado aquele filtro do Snapchat no seu rosto.
É exatamente o que parece. Ou quando o photoshop dá errado.

Qual foi o primeiro filme de terror que você lembra de ter assistido?
Minha avó me deixou assistir o filme original do Exorcista e foi horrorizante. Eu era muito nova para assistir um filme daqueles. Ainda é um dos meus favoritos – sou uma grande fã de filmes de terror.

Em um jogo de verdade ou desafio, o que você escolheria?
Hmm, provavelmente a verdade. Eu sou uma pessoa muito honesta e aberta. Eu gosto de pensar que sou espontânea, mas talvez eu não seja tão espontânea quanto penso que sou.

Seu estilo no tapete vermelho é bem desafiador! Você aceita qualquer coisa quando se trata de escolher uma roupa?
Definitivamente sim. Minha estilista Alyssa Sutter é meu guru da moda. Eu gosto de arriscar e tentar coisas novas, e se eu tenho uma vibe ou ideia para um evento, eu digo a ela, mas eu sou muito mente aberta. Tem coisas que ela traz para mim que nunca em um milhão de anos eu escolheria e então eu experimento e amo.

Como seu estilo evoluiu desde que você começou?
Eu me tornei muito mais desafiadora e criativa sobre o que eu visto. Mas ao mesmo tempo, meu look diário é mais simples do de quando eu era mais nova. Quando eu queria usar todas as coisas da moda ao mesmo tempo, mas agora eu simplifiquei meu closet. Eu estou em uma fase vintage no momento – eu gosto de misturar minhas peças vintage.

Tem algo que você vestiu que olha hoje e imagina o que você estava pensando?
Oh, várias coisas! Mas uma fica na minha cabeça. Era um terninho azul bebê, que seria legal, mas esse estava todo mal costurada e as calças eram muito compridas. Eu parecia uma menininha em roupas de adulto. Eu olho para esse look hoje e me encolho.

Você disse que levou um tempo para se sentir confortável em sua pele. Pode nos contar sobre isso?
Eu realmente só comecei a me sentir confortável e confiante há uns dois anos atrás. Acho que é normal se sentir insegura consigo mesma quando você é mais jovem, porque você passa por experiências que te moldam, e é assim que você descobre quem você é. Para mim foi meio que tentativa e erro – você descobre eventualmente o que te faz feliz em sua vida, e o que é importante e o que não é.

Estamos vendo uma mudança em Hollywood sobre igualdade de gênero e o movimento Times Up, qual sua reação a isso?
São tempos excitantes para as mulheres. Eu me sinto afortunada de estar acompanhada de pessoas que eu me espelho, que estão se abrindo sobre coisas que realmente importam. E não está acontecendo somente na minha indústria, mas em toda indústria. Também faz as pessoas se sentirem menos sozinhas, porque às vezes nós nos calamos e fingimos que as coisas não importam, mas é muito poderoso para as mulheres terem uma voz. Quer dizer, está na hora.

Você e as meninas de PLL fizeram tatuagens combinando nos dedos do Shh para comemorar a série. De quem foi a ideia e foi um sim de cara para todas vocês?
Então… Concordamos que todas queríamos fazer algo especial como um grupo, e foi ideia da Ashley. Ela e eu temos muitas tatuagens, então estávamos 100% dentro. Shay foi a última a concordar, ela tem medo de agulhas então ela precisou de uma longa conversa. Foi uma experiência divertida, é muito especial porque isso foi uma parte super importante de nossas vidas e foi uma maneira legal de comemorar.

Nos conte sobre seu adorável cãozinho Elvis!
Ele está nesse momento debaixo do meu pé! Eu acertei na loteria dos cachorros porque ele é a criaturinha mais divertida, mais doce e fofa. Esse é o sentimento mais próximo de ter um filho, porque eu sou sinistramente obcecada com meu cachorro – é fora do controle!

Roda da verdade – Não é permitido mentir

Como você se sentiu sobre a saia de gravatas da Aria?
Hahaha! Honestamente, eu achei que era muito legal. Eu nunca em um milhão de anos usaria isso na vida real. Eu tive alguns looks estranhos no set nesse dia.

Quem era sua crush celebridade quando você era criança e você teve a oportunidade de conhecê-los?
Zac Hanson. Eu cheguei perto, mas nunca o conheci.

Que idade você tinha quando deu seu primeiro beijo?
Acho que tinha 11 ou 12.

Quanto tempo você já ficou sem lavar o cabelo?
8 dias. Não estou brincando.

Qual música você tem vergonha de admitir que ama?
Não consigo pensar em uma música, mas eu amo a trilha sonora de Grease.

Se você fosse criar um fã-clube, sobre quem seria?
Mary-Kate e Ashley! Eu amo elas demais.

Você perguntou, ela respondeu – Colocamos suas perguntas para Lucy:

Você tem uma dica ou truque de beleza favorito?
Eu estou sempre penteando minhas sobrancelhas porque faz com que elas pareçam mais cheias e mais naturais.

Se você pudesse voltar no tempo e contar uma coisa a você do passado, o que seria?
Ohh, tem milhões de coisas. Eu diria não perca tempo com coisas pequenas, porque o que importa agora não vai importar depois.

Eu amo seu cabelo e estava imaginando qual sua rotina capilar?
Se não estou trabalhando, está em um rabo de cavalo e eu deixo secar ao natural. Eu recomendo fazer isso o máximo possível, porque você deve sempre abraçar sua textura natural – e vai salvar seu cabelo de ser danificado. Eu faço bem pouca manutenção do meu cabelo – eu uso condicionador em spray.

Confira os scans da revista em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

gfaustralia2018-001.jpg gfaustralia2018-002.jpg gfaustralia2018-003.jpg gfaustralia2018-004.jpg

Lucy concedeu uma entrevista para o site Madison.com, onde fala sobre sua nova série, Life Sentence, que estreia na próxima quarta no canal americano CW. Confira traduzido abaixo:

Lucy Hale não estava planejando pular direto para outra série depois de “Pretty Little Liars”.

Mas um mês depois de dizer adeus a aquela família da TV, ela disse oi para outra em “Life Sentence”.

“Eu queria fazer uma pausa mas achei que essa era uma história importante para contar,” diz a atriz de 28 anos.

Na nova série da CW, ela está em seus 20 e poucos anos e passou muito de sua vida apenas vivendo o momento, porque ela foi diagnosticada com câncer. Quando os médicos contam a ela que o câncer se foi, ela não sabe o que fazer – particularmente com a família que escondia vários segredos dela porque eles não queriam magoá-la. De volta a sua casa, ela tenta processar o que aprendeu e considera se ela ainda quer estar casada com um homem que ela casou por impulso.

“Me surpreendi que entrei algo assim tão rápido,” Hale diz. “Mas, para mim, se algo ressoa com você, você vai atrás. Não é todo dia que você lê algo e se apaixona completamente.”

“Life Sentence” é meio que a sequência de “Live Like You Were Dying” do Tim McGraw. Em algumas cenas, a personagem de Hale faz várias coisas de uma lista. Então ela volta a realidade e tem que descobrir o que quer a seguir. Ela tenta uma variedade de empregos, descobre que seus pais não estão casados e felizes e descobre que todos não estão em um final feliz.

A história ressoa em todos, diz Hale: “O que eu faço com o tempo que tenho sobrando?”

Enquanto a veterana da TV tem amigos que são espontâneos, ela sempre foi “a pessoa que está na cama as 9 da noite. Sou um tipo A – eu tenho que ter uma agenda – mas estou tentando mudar. Esse papel abriu meus olhos para viver mais livremente. Estou definitivamente tentando passar das 10 da noite.” Ela sorri.

Enquando Hale teve sucesso em várias arenas (ela lançou um álbum country, teve uma longa carreira na televisão e fala de vários produtos), “Ainda estou tentando descobrir quem é Lucy como pessoa fora da indústria. Isso é muito da minha identidade.”

Quando amigos sugerem que ela tirasse um tempo apos PLL, Hale foi hesitante. “As pessoas cometem o erro de dizer, ‘Não vou fazer nada por um tempo’. Não é sempre a melhor decisão. Se isso fala com sua alma, você deveria fazer. Com essa série, eu senti lá dentro.”

Falando com pacientes reais do câncer, Hale teve a chance de sentir o que eles estão passando.

“Eu lembro da primeira vez que entrei na enfermaria. Eu estava apavorada. O que você diz para essas pessoas para tentar melhorar? Então eu mantive minha boca fechada e percebi que tem um grande senso de otimismo ali. Eu fiquei chocada com as enfermeiras e os médicos. Você sai dali e não é triste. É porque essas pessoas estão lutando – essas crianças que mal podem falar estão lutando – porque elas tem que litar. Não tem outra escolha.”

Estatísticas? Hale diz que uma em quatro pessoas morre de câncer, “então todos fomos tocados pelo câncer de alguma maneira.”

Stella, a personagem que ela interpreta, não tem ideia de carreira e não tem um plano. Hale sempre tem um plano. “Alguns anos atrás eu não tinha certeza se queria mais atuar. Eu me perguntei essas mesmas coisas: Quem eu quero ser? Eu estou no caminho certo? Todos passamos por isso para encontrar a melhor versão de nós mesmos. Stella está no caminho, ela só está um pouco atrasada.”

Porque “Pretty Little Liars” durou oito anos, Hale sabe que entrar para uma série pode ser um grande comprometimento.

“TV não dura mais tanto assim,” ela diz. “Foi uma benção poder estar com essa família por tanto tempo. Mas isso é o certo.”

“Quando você vê nas câmeras o quão bem nos damos você vai entender porque eu sou a menina mais sortuda do mundo.”

Fonte: Madison.com