Lucy concedeu uma entrevista ao site TV Guide em janeiro desse ano onde conta mais detalhes sobre a situação da família de Stella, sua personagem em Life Sentence, que estreia hoje na CW. Confira traduzido abaixo:

Lucy Hale vem do “viva como se você estivesse sendo perseguido” ao abrace a longa vida a sua frente em seu primeiro papel pós-PLL.

Hale interpreta Stella em Life Sentence, a nova série da CW sobre uma jovem que descobre que ela foi curada do câncer terminal que estava batalhando. Depois de oito anos vivendo cada momento como se fosse o último, Stella tem que crescer rapidamente e descobrir o que ela quer fazer com o resto de sua vida. É uma experiência desorientada quando Stella percebe que está casada com um homem que mal conhece e sua família inteira vem fingindo não ter problemas sérios por quase uma década.

Lucy conversou com o TV Guide no Television Critics Association em janeiro sobre a jornada da Stella e revelou como essa luta vai se desenrolar.

No pilot, Stella admite estar com medo dessa cura que vem recebendo. Quais são as coisas que ela tem mais medo?
Hale: Quando conhecemos a Stella, ela acaba de receber a notícia que ela vai viver no fim das contas. Stella ficou boa em viver a vida como se ela estivesse morrendo. Ela estava em paz com isso. Agora ela tem que viver como se fosse viver, o que eu acho que é assustador para ela porque as perguntas que nós nos fazemos – Quem eu aspiro ser? O que eu aspiro a fazer? Quais são meus sonhos? – Ela nunca tinha se perguntado isso, e também precisa descobrir muitas coisas novas sobre sua família. É um pouco demais. Ela é muito teimosa e um pouco cabeça dura e ela está determinada a viver a melhor vida que puder.

Ela recebe algumas revelações sobre coisas que a família vinha escondendo dela. Quanto ela vai receber até que ela diga, “Ok, isso é demais!”
Hale: Enquanto Stella tinha câncer sua família não queria jogar uma situação estressante nela. Eles queriam dar a ela os melhores anos de sua vida. Enquanto isso, sua família está lutando por trás das cenas. Sua mãe e seu pai não estão apaixonados. Eles se divorciaram, mas aos olhos da Stella, eles eram o casal apaixonado e perfeito. A mãe de Stella está descobrindo sua sexualidade. Seu pai tem dívidas. Seu irmão vende drogas (e com drogas eu digo que ele vende remédios para mães). Sua irmã basicamente desistiu de tudo para estar ao lado dela. Tem um senso de culpa na Stella também. É muita informação para processar que ela vai atingir o ápice. Ela é uma pessoa que conserta as coisas. Ela pega uma tarefa e coloca tudo que tem para tentar ajudar sua família, o que é o que todos nós fazemos. Nos colocamos no fogo às vezes. Ela descobre. Eu não sei como ela lida com tudo, mas ela consegue.

Para alguém que foi cuidada pelos últimos 8 anos, ela é incrivelmente capaz de tomar o reino agora. Essa é uma parte importante da sua personalidade?
Hale: Acho que ser cuidada nesse ponto por tanto tempo ela é muito ingênua sobre o mundo e o quão doloroso e confuso pode ser. Você a conhece e você acha que ela é super independente e capaz, e ela é, de alguma maneira, mas durante a série ela percebe, “Oh, eu não tenho ideia de quem sou. Eu não sei o que eu quero fazer. Isso é muito para eu suportar.” Acho que tem momentos onde ela só quer correr de tudo isso, mas essas são perguntas normais e coisas que todos temos que lidar. Ela tem que lidar com isso tarde demais e em circunstâncias diferentes.

Stella desenvolve uma amizade com essa menina mais nova, Sadie, que tem o mesmo tipo de câncer. O que você pode nos dizer sobre como essa relação funciona para ambas?
Hale: Inicialmente, Stella é atraída para Sadie porque ela sabe exatamente o que ela está passando e ela vê essa menininha que não tem o mesmo apoio que Stella teve. E acaba sendo muito mais do que Stella a colocando debaixo da sua asa. Acaba que Sadie cuida da Stella. Stella é meio que uma bagunça a maioria das vezes e Sadie é tão esperta apesar dos anos. Stella acaba aprendendo muito com essa alma velha, mais do que aprendeu com qualquer outra pessoa. Se torna uma linda amizade. Elas dão e recebem.

Fonte: TV Guide

 

Lucy esteve na noite de ontem no programa do Jimmy Fallon para falar sobre a estreia da sua nova série, Life Sentence, que vai ao ar hoje na CW americana. Confira abaixo fotos e o vídeo legendado pela nossa equipe da participação da Lucy no programa:




Confira as fotos do programa clicando nas miniaturas abaixo:

fallon060318-001.jpg fallon060318-003.jpg fallon060318-002.jpg fallon060318-001.jpg

Lucy concedeu uma entrevista para o Entertainment Weekly onde contou porque escolheu Life Sentence como seu próximo passo após Pretty Little Liars. Confira traduzido:

Depois de sete temporadas de ameaças por mensagem de texto e capuzes pretos, Lucy Hale estava pronta para algo novo: uma folga. “Meu plano era tirar uma folga e ser humana por um tempinho,” Hale conta ao EW. Mas quando ela começou a olhar projetos futuros, teve um que ficou na sua mente: A história de Stella, uma menina de 23 anos que viveu muito tempo como se estivesse morrendo – porque ela estava – até que ela descobre que seu câncer está curado. “Quando você está em uma série por oito anos, você vira um tipo de atriz, então muitas das coisas que vinham para mim eram parecidos com PLL. Eu não queria fazer outra série assim,” diz Hale. “Eu li Life Sentence, e foi muito fácil decidir.”

Na verdade, Hale ainda estava em Rosewood, usando os sapatos estilosos da Aria quando disse sim para Life Sentence. “Eu amei toda a ideia de pegar essa história que já ouvimos de alguém vivendo como se estivesse morrendo e colocar isso de cabeça para baixo e dar a essa menina uma segunda chance na vida,” Hale diz. “Para mim, foi muito interessante que uma menina de 23 anos teve que renascer para descobrir quem ela é.”

As notícias da saúde da Stella serão um choque para sua família, que são forçados a encarar as mentiras que eles contaram para “proteger” Stella durante os anos. “É a melhor notícia que eles poderiam esperar, mas acontece que a família toda está de cabeça para baico,” Hale diz. “Eles tem que lidar com os assuntos que veem repreendendo.” Mas a maneira que eles fazem isso tem um lado de comédia – uma mudança para Hale. (Tradução: Essa não envolve tentativa de assassinato ou uma máscara.) “Eu não fiz muita comédia, e eu realmente gostei do ritmo da série,” ela diz. “Houveram tantos aspectos que chamaram minha atenção. É uma série para se sentir bem.”

E não cometa erros: Hale não escolheu Life Sentence por ser fácil. Ela sabia que todos os olhos seriam nela em seu primeiro projeto pós-PLL. Quando a perguntamos sobre a pressão, ela respondeu: “Oh meu Deus, não tenho ideia. É aterrorizante e ainda sim excitante. PLL foi uma coisa gigante em minha vida, e eu sempre vou carregar onde quer que eu vá, mas ao mesmo tempo, esse capítulo está encerrado, e é excitante abrir um novo livro e criar o mundo que eu quiser.”

Fonte: Entertainment Weekly 

Lucy concedeu uma entrevista para o Daily News de NYC onde fala sobre Life Sentence e sua personagem, Stella. Confira traduzido abaixo:

O novo drama da CW começa no fim.

“Life Sentence,” estrelando Lucy Hale, conta a história de Stella Abbott, uma jovem que viveu sua vida esperando para morrer de câncer terminal. Ela viajou, se apaixonou e se casou com um estranho.

Então, de repente, ela não está mais morrendo.

“Stella viveu a maioria da sua vida com as notícias mais tristes que se pode receber,” Hale conta ao Daily News. “Ela é uma pessoa estilo taça meio cheia. Ela vivia o momento. Ela é espontânea. E ela sabia o tipo de garota que era enquanto estava morrendo. Agora ela precisa redescobrir quem ela é.”

Uma cura milagrosa reseta o futuro de Stella e, pela segunda vez, sua vida vira de cabeça para baixo.

Mas acontece que, a existência feliz de Stella era uma mentira, os últimos meses na terra eram uma mentira ocontada por sua família, (Dylan Walsh, Gillian Vigman, Jayson Blair e Brooke Lyons) e que aparentemente está caindo aos pedaços.

E é aí que “Life Sentence” acha seus personagens, entre flashbacks dos momentos felizes das suas vidas e descobrindo o que vem a seguir.

“Isso realmente me fez repensar o que é felizes para sempre e o que significa,” Elliot Knight, que faz o marido de Stella, Wes, conta ao The News.

“Não segue o caminho tradicional de romance ou viver a vida. Encoraja as pessoas a se perguntarem coisas, descobrir o que é mais importante.”

Para o ator britânico de 27 anos, o foco dele seria em simplificar.

“Todos caímos nas complicações que criamos para nossas vidas; vivemos para outras pessoas,” ele conta. “É um momento angustiante quando você é confrontado com um fim e tem que fazer uma escolha de viver sua vida por você mesmo.”

Ele viajaria. Para a Africa e Asia.

“Eu aprenderia e amaria e seria o mais feliz possível e compartilharia isso com as pessoas,” diz Knight.

Encarando uma data de validade, Hale teria um plano mais simples: Ir para casa em Memphis e passar os últimos dias com sua família. Muito Netflix e boa comida, ela brinca.

Hale não tinha intenção de assinar com uma série tão rápido depois que Pretty Little Liars acabou em junho depois de sete temporadas; na verdade, ela tinha planejado tirar uma “grande folga”. Mas Life sentence lhe chamou atenção.

“É uma série muito especial que precisava ser feita e precisava ser ouvida. E eu sou a única que podia interpretá-la,” ela conta. “Somos culpados por não viver o momento e levando as coisas sem dar valor a elas. A vida é muito preciosa e temos muito a ser gratos. Se estamos vivos e respirando, deveríamos nos sentir afortunados.”

Fonte: Daily News

Lucy concedeu uma entrevista e participou de uma sessão de fotos para a W Magazine, onde fala sobre Life Sentence, Truth Or Dare e mais. Confira traduzido abaixo:

Em seu filme de terror Truth Or Dare, que será lançado no próximo mês nos EUA, Lucy Hale terá sua mão esmagada brutalmente por um martelo, será stalkeada por forças malignas e ser possuída enquanto faz sexo, tudo em nome de um jogo assombrado, Verdade ou Desario. Assustador, certo? Bom, um outro projeto assustou a atriz de 28 anos recentemente – sua nova série de TV Life Sentence, que estreia na CW amanhã à noite.

É como o primeiro dia de aula,” Hale fala sobre começar uma série nova. “É apavorante. Nunca não será apavorante. A coisa boa é que é uma nova experiência para todos. Essa é a beleza disso. Estamos criando algo do zero. É recompensador.”

Na série, Hale interpreta Stella, uma jovem que vem vivendo sua vida sabendo que está morrendo de câncer terminal, apenas para descobrir que, ei, ela não está. “Ela é uma menina que passou os último oito ano da sua vida pensando que estava morrendo, então ela estava vivendo como se estivesse morrendo,” Hale explica. “Ela teve todas as coisas horríveis do mundo escondidas dela e viveu nessa falsa fantasia por muito tempo. No pilot descobrimos que ela vai viver, então ela tem que redescobrir quem ela é, e descobrir quem ela quer ser.

A estreia de Life Sentence marca o retorno de Hale para a TV depois de um ano do fim de sua famosa série Pretty Little Liars. “Foi meio, ‘Uau, TV de novo?'” Fala Hale sobre o rápido retorno as telinhas. “Eu fiz Pretty Little Liars por tanto tempo, mas minha coisa é que se fala com você e é um bom material e um bom papel, então não importa qual é a área de trabalho. Eu só vou fazer. Aconteceu de ser na TV de novo.”

Diferente de Pretty Little Liars, onde Hale co-estrelou com Troian Bellisario, Shay Mitchell e Ashley Benson, essa nova série está nos ombros da pequena estrela. “Foi um grande salto,” ela disse sobre não ter que dividir a tela. “É ir de uma série em grupo para algo onde estou em todas as cenas. Se a série for um fracasso será por minha causa, e se for um sucesso será por minha causa. É muita pressão.”

Se alguém sabe sobre os holofotes, é Hale. Nascida em Memphis, Hale teve sua primeira prova da fama como uma das ganhadoras do spin-off do American Idol, American Junior, antes de se mudar para Los Angeles aos 15 anos para correr atrás da carreira de cantora. Hale logo atraiu a atenção pela atuação, aparecendo em algumas séries como The O.C., Drake e Josh e Feiticeiros de Waverly Place, e estrelando na série que foi curta, mas muito amada, Priviledged. Foi alguns anos depois que ela foi escolhida como Aria Montgomery em Pretty Little Liars, que catapultou seu estrelato a um novo nível graças ao público devoto da série.

Hale estrelou na série por sete anos, deixando-a em uma encruzilhada quando a série veio ao fim no ano passado. “Eu fiquei meio, ‘Oh meu Deus. Isso é realmente o fim. O que eu vou fazer? Qual o próximo passo?'” ela lembra. “E honestamente, por um tempo eu achei que ia dar uma pausa antes de dar o próximo passo.”

Como ela mesma fala, Hale não consegue ficar parada. (“Eu amo trabalhar, amo estar ocupada,” ela declara.) Ela voltou das filmagens de Truth Or Dare, que estreia nos cinemas americanos no dia 13 de abril. “Nem me fale sobre gravações loucas,” ela diz sobre o filme de terror. “O modelo da Blumbouse Productions [mesma dos filmes Corra! e Uma noite de crime] é que eles pegam um script, fazem por alguns milhões de dólares, e é como jogar espaguete na parece. Se grudar, eles promovem. Não tínhamos ideia se o filme ia ser escolhido e lançado enquanto gravávamos. Foi uma gravação agitada e louca. Tem muita energia – você está sempre correndo, gritando, chorando. Valeu a pena. Foi muito bem.”

Há vários gêneros que Hale espera explorar enquanto sua carreira continua se abrindo. “Eu amo filmes com personagens marcantes. Lady Bird é um projeto dos sonhos,” ela diz. “Não que eu não goste de blockbusters. Se alguém me chamasse e dissesse, ‘Quer estar em Mulher Maravilha 2? É claro.”

Mas até que Themyscira ligue, ainda tem Los Angeles, que Hale começou a chamar de casa depois de ter crescido no Sul – fora um susto recente. “Minha casa foi invadida recentemente… Foi estranho,” ela diz. “Mas é uma dessas experiências que te deixam mais humilde e te fazem reavaliar o que é importante para você. Estou tentando ver isso com esses olhos. Com sorte todos estão a salvo e nada horrível aconteceu.”

Ela se sacudiu com o pensamento, optando por focar no positivo. “Eu amo minha vida em LA agora,” ela continua. “Eu me mudei pra cá muito jovem com a minha mãe, e por muitos anos era só eu e ela, e éramos nós contra o mundo e eu não conhecia ninguém. Eu tive amigos mas não confiava neles realmente e fizemos escolhas ruins. Foi aquela fase, e agora estou na fase onde minhas prioridades são diferentes. Eu cuido de mim mesma. Eu vou fazer 29 anos em junho; uma reviravolta doida aconteceu. Eu não saio mais. Minha coisa favorita é ficar em casa.”

Sendo isso suficiente, você não vai ter fotos de Hale saindo de uma boate na internet. “Acho que tem essa noção preconcebida que todas essas festas são glamourosas e divertidas, mas é meu pesadelo,” ela diz. “Eu tenho uma ansiedade social, mas não é o que você imagina ser.” Ao invés disso, Hale mantém um grupo de amigos próximos que estão na indústria, mas em lugares diferentes atrás da câmera. “Eu quero me cercar de pessoas que são reais e gostam de mim por quem eu sou e não ligo pra mais nada,” ela diz. “Não vamos dizer que atores são cuzões, mas é que eu tendo a gravitar mais para as pessoas que são criativas e trabalham duro mas acaba que eles estão atrás das câmeras.”

Há também seus antigos colegas de PLL, que Hale diz que conversa “de vez em quando.” “É muito legal ver todos fazendo suas coisas,” ela diz. “Todos começamos juntos e agora estamos todos em lugares diferentes em nossas carreiras. É ótimo. Eu falei com a Sasha outro dia, ela está para começar o spin-off, o que é muito excitante e estou muito feliz por ela.”

Aí fica a pergunta: Agora que Hale está em sua nova série, ela retornaria para Rosewood? “Talvez,” ela considerou. “Eu não sei o que esperar disso… Mas eu nunca digo nunca para nada.”

Fonte: W Magazine

Confira as fotos da sessão de fotos em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

WMagazine2018-001.jpeg WMagazine2018-002.jpeg WMagazine2018-003.jpeg WMagazine2018-012.jpeg

Lucy concedeu uma entrevista para o TV Insider, onde fala sobre se ajustar a uma série nova depois de passar tantos anos em Pretty Little Liars. Confira traduzido abaixo:

Depois de sobreviver ao assassino “A”, Lucy Hale está pronta para pegar o grande C em Life Sentence, uma dramédia familiar.

Hale estrela como Stella Abbott, uma jovem que ganha uma segunda chance depois de descobrir que ela venceu o câncer que vem lutando desde a infância. A personagem é uma amostra dos charmes nativos de Memphis e demonstra o poder de viver como se estivesse morrendo… Mesmo quando você não está morrendo.

O script deve ter sido muito especial para você sair de sete temporadas de Pretty Little Liars para outra série.
Lucy Hale: Durante os dois últimos meses de Pretty Little Liars, eu me encontrei com o produtor executivo Bill Lawrence e os criadores Erin Cardillo e Rich Keith, que escreveram o script. Mas fazer mais TV pareceu um pouco demais. Então terminamos de filmar, eu li o script e em 30 minutos, eu estava ligada a essa série.

Agora você faz um tipo diferente de drama! Como é isso?
LH: Eu estou costumada a correr na floresta gritando e ser ameaçada por mensagem. Foi realmente divertido fazer comédia aqui.

Ainda sim tem um drama pesado nos flashbacks de quando Stella estava doente. Você faz um trabalho de quebrar o coração.
Tiveram alguns momentos realmente fundamentais que eram quase insuportáveis de interpretar. Especialmente quando eu estava assistindo Dylan Walsh, que interpreta meu pai, ter que olhar essa menininha morrendo de câncer. Quebra seu coração em milhões de pedaços. Quando você não save se vai acordar amanhã, é um novo nível de dor e drama. Tivemos que ter um pouco de pesquisa na alma. Eu queria fazer justiça, porque eu, batendo na madeira, nunca tive que lidar com nada disso. Eu posso imaginar o quão difícil é.

Você tinha planejado fazer outra série?
Eu sabia que meu próximo passo era importante mas eu não tinha ideia que seria outra série. Sabe, eu li o script e eu me apaixonei por ela. Era um mundo que eu queria viver e queria trazer essa personagem a vida. Indo de uma série para outra onde está tudo nos meus ombros é um pouco desesperador, mas eu sou grata pela oportunidade. Estou animada para todos conhecerem a Stella e espero que amem ela tanto quanto eu.

O tom dessa série é tão diferente de Pretty Little Liars, deve ter sido uma mudança e tanto.
Nem me fale! Não que eu não seja grata pelos oito anos que tive em PLL… É claro que eu sou. Mas depois de fazer algo por tanto tempo, foi muito legal pisar fora daquela caixa e fazer uma série completamente diferente. Isso é, você sabe, o fim oposto do espectro. Foi muito divertido interpretar com a comédia e eu tenho um aspecto de voz na série, o que é divertido. Você está sempre ouvindo nosso monólogo interno. Ela é muito peculiar e divertida de interpretar. Vem sendo um desafio legal.

Stella é realmente peculiar.
Ela está lá, e eu acho que parte é porque ela foi protegida do mundo real por tanto tempo enquanto estava doente. Sua família queria dar a ela a vida perfeita, e assim que ela recebe a segunda chance, ela descobre que o mundo real é muito desanimador – não é só desenhos animados e arco-íris. Acho que Stella está descobrindo isso, quando ela estava morrendo, ela sabia exatamente quem ela era. Agora que ela vai viver, ela não tem ideia de quem é.

Você parece ter caído em uma posição onde ainda tem os melhores figurinos da TV.
Quer dizer, eu sou a menina mais sortuda do mundo ou o que? Com Aria, eu ficava meio, ‘Eu nunca vou ter um guarda roupa tão divertido,’ mas Stella é uma concorrente de peso. Elas são muito fofasm não vou mentir.

Você também tem um filme de terror com Tyler Posey chamado Truth Or Dare que vai sair logo certo?
Oh sim, Tyler e eu ficamos nesse Teen Wolf versus PLL! Foi muito bom. Foi um filme — de gravar, e eu acho que vai ser muito divertido de assistir. É bem bizarro.

Então, oito anos em Rosewood no lote da Warner Bros, então você do nada está em Vancouver. Qual foi a maior mudança que você teve que passar?
Oh, o tempo, vamos ser realistas. É muito mais frio em Vancouver do que em LA! Mas honestamente, por quase dez anos da minha vida, eu vivia a 15 minutos de onde eu trabalhava. Eu acordava, ia para o lote da WB e ia para casa. Essa foi minha vida por basicamente todos os meus vinte anos.

Então, essa série me levou para uma nova cidade, uma nova personagem, com novas pessoas e um país diferente. Tiveram muitas mudanças, mas eu senti… Me senti como Mary Tyler Moore, como se o mundo fosse minha ostra. Foi muito excitante e foi uma grande metáfora para esse novo capítulo da minha vida.

Fonte: TV Insider