O canal oficial da Modelist Magazine no YouTube divulgou recentemente os bastidores da sessão de fotos que a Lucy fez com a revista para a capa de junho. Confira:

 

Lucy é a covergirl da Modeliste Magazine, hoje (15), foi divulgada a capa da edição de junho da revista, acompanhada de uma entrevista. Confira abaixo traduzido:

Lucy Hale é uma força da natureza. Maravilhosa com sua beleza radiante, estilo chique sem esforço e a garota sulista da casa ao lado com um toque de poder feminino, Lucy é o ídolo de muitos fãs obcecados de PLL ao redor do mundo. Nossa capa de junho, conta em entrevista no set da nossa sessão de fotos em Malibu e nos dá detalhes sobre seu último dia filmando PLL, seu novo filme e últimos projetos, seus itens sagrados de beleza e o que ela ama fazer quando não está trabalhando. Não é surpresa porque todos amamos a Lucy.

O que te inspirou a ser atriz?
O que me inspirou provavelmente foi meu amor pelo entretenimento quando eu era criança. Eu nunca fui boa em esportes, eu não gostava muito da escola mas eu amava brincar de me vestir e eu amava cantar e e fingir que era outra pessoa. Então, esses eram meus hobbies enquanto eu crescia. Quando eu tinha uns 13 anos, eu pensei “Oh, essa pode ser minha carreira. Eu poderia fazer isso para viver.” O que foi ótimo porque eu nunca tive um plano B. Eu nunca pensei em fazer outra coisa. Bate na madeira. Eu sou grata que está funcionando. Veio naturalmente a mim quando eu era pequena e com sorte isso funcionou em minha vida adulta também.

Qual foi o seu primeiro papel?
Meu primeiro emprego foi em LA, foi um comercial de bonecas Bratz. Muito excitante, eu sei. Eu tinha uns 15 anos e estava brincando com os cabelos das bonecas, mas isso foi minha folha de pagamento então eu estava muito animada. Meu primeiro papel atuando foi em Drake e Josh, que era uma série da Nickelodeon e eu tive uma fala nela. Meu primeiro papel como principal foi quando fui escolhida para fazer o remake de Bionic Woman na NBC. Isso abriu muitas portas.

Muitas pessoas me conhecem como Aria Montgomery de PLL. A experiência toda foi um sonho virando realidade porque não é muito comum uma série ficar tanto tempo no ar. A série se tornou um fenômeno. Eu fico constantemente assustada com a resposta que ainda temos quando eu viajo para fora do país. O sucesso que foi em todos os lugares vem sendo incrível. É estranho para mim porque eu vivo na minha bolha e não percebo o sucesso que foi e ainda é. Eu sou tão grata por essa experiência e o que me ensinou. Eu passei oito anos aperfeiçoando meu ofício e indo trabalhar todos os dias fazendo algo que eu amo.

Eu estou em uma ótima etapa da minha carreira no momento, onde eu posso ser mais criteriosa sobre os papéis que eu escolho. É excitante ver o que todos da série estão fazendo agora. É agridoce porque formamos uma família, e oito anos é um bom tempo, mas ainda conversamos e é excitante ver todos se ramificando e tentando coisas novas.

Como foi o último dia de filmagem?
O último dia de filmagens de PLL foi na verdade a cena do casamento entre a Aria e o Ezra. Então foi legal terminar a série dessa maneira mas foi um dia muito emocionante. Eu lembro de todos da equipe aos produtores e ao elenco, estavam chorando o dia todo. O encerramento para mim no vestido de noiva foi na verdade a última cena que fizemos em PLL. Foi muito emocionante. Eu sou péssima em dar adeus e terminar as coisas. Eu sei que deveria ter ficado lá e passado um tempo com todo mundo mas eu não consegui, então eu simplesmente saí. Não ia aguentar dizer adeus a todos naquele dia. É estranho pensar que faz um ano e meio que acabou, é louco.

Você ainda tem contato com seus colegas de PLL?
Eu mantenho contato com a maioria das pessoas envolvidas em PLL, mas estamos em cidades diferentes e fazendo projetos diferentes e é por isso que a tecnologia é tão boa. Nos atualizamos uns aos outros pelas redes sociais e eu encontrei com o Ian outro dia. É difícil conseguir todos no mesmo lugar ao mesmo tempo, mas acho que vamos ter uma pequena reunião logo.

Você está estrelando um drama na CW no momento, “Life Sentence.” Pode nos contar sobre o que é a série e como é sua personagem?
Eu estou em uma série na CW no momento chamada Life Sentence. Foi minha partida de PLL então eu sabia que teria que ser mais criteriosa sobre o que eu faria a seguir. Isso meio que caiu no meu colo porque eu ouvi um pouco sobre e eu sabia que teria que ser a garota que iria interpretar essa personagem, que era algo que eu tinha que fazer parte.

Eu interpreto Stella Abbott, que é uma menina que está vivendo com câncer terminal pelos últimos oito anos de sua vida. Ela tomou todas essas decisões espontaneamente e estava vivendo como se estivesse morrendo e estava contente com a ideia de morrer. Descobrimos no episódio piloto que ela está curada e ganhou uma segunda chance na vida. Então, começa como uma coisa e então se torna uma série sobre uma menina que nunca conheceu o mundo real. Nunca descobriu quem ela era porque ela não tinha que se perguntar isso.

É sobre ela achar seu caminho e descobrir que tipo de pessoa ela quer ser. Mas não apenas para ela, para toda sua família também, o câncer afeta todos a sua volta.

Eles vinham escondendo coisas sobre eles mesmos, e sua mãe sai do armário e seus pais se divorciam. Ela descobre que seu irmão é um traficante e sua irmã odeia os filhos dela. Pela primeira vez, Stella vê o mundo como ele realmente é. É uma série muito divertida de fazer parte e tem muito coração. Acho que precisamos de mais séries assim. Eu amo interpretá-la, ela é alguém que eu quero ser um dia.

Qual é a parte mais desafiadora da sua personagem na série?
Eu diria que a parte mais desafiadora de interpretar a Stella é que eu nunca estive em uma posição onde eu savia que a morte estaria tão próxima. Nunca temos garantia de nada, mas eu nunca tive o câncer me afetando pessoalmente, o que é muito raro porque uma em quatro pessoas é afetado por isso. Eu estava fazendo muita pesquisa sobre os tratamentos e entrando nisso porque eu realmente não tinha nada para me basear nesse sentido. Tudo veio tão naturalmente porque eu acho que todos nos relacionamos com não saber quem somos e quem queremos ser.

Você recentemente estrelou no filme Truth Or Dare o que parece assustador! Descreva um dia típico no set.
Todo o conceito do filme é escandaloso mas foi muito divertido de filmar. Eu sou uma grande fã de filmes de terror e poder fazer parte de um filme onde estamos fazendo coisas que nunca em um milhão de anos vão acontecer, foi muito divertido.

Foi uma filmagem muito difícil porque foi feita em apenas 23 dias. Estávamos tentando ter o máximo de conteúdo nesses 23 dias, então foi muita energia. Foi muita correria por aí. Muito de fazer uma cena em um take e torcer para que desse certo. Mas, foi um ótimo elenco. E meu amigo, Tyler Posey estava nele. Foi ótimo poder passar um tempo com ele, gritar e estar cercada de sangue falso o dia todo. Foi muito divertido.

Qual foi o desafio mais memorável que alguém te pediu para fazer quando você jogou Verdade ou Desafio na vida real?
O desafio mais memorável veio do meu cunhado alguns anos atrás. Ele me desafiou a ir fazer sky-diving com ele, e na época, era um escândalo para mim porque eu tinha muito medo de avião e de altura. Era tudo que eu evitava a todo custo. Eu sendo teimosa como sou, disse “Sim, eu faria isso.” Então eu acabei fazendo e eu acho que isso me ajudou com meu medo de altura. Foi uma das coisas mais legais que já fiz. Recomendo muito.

Descreva seu estilo diário.
Descrever meu estilo diário é realmente difícil. Essas perguntas são difíceis porque eu não sinto que me encaixo em uma categoria. Eu estou em constante mudança. Sou definitivamente do time do conforto, eu diria que estou em uma fase vintage no momento. Eu amo ter algo dos anos 70. É a típica jaqueta de couro, jeans, uma camiseta e tênis. Pode mudar dependendo de como me sinto.

Você recentemente pintou seu cabelo de loiro! O que te inspirou a fazer essa mudança e você está gostando?
Como pode ver, sou uma loira no momento, o que é muito divertido. Nada me inspirou. É mais ter um vício capilar e sempre precisar estar mudando. Eu fui morena por muito tempo que eu pensei, com o verão chegando, seria legal mudar um pouco. Quem sabe, semana que vem, pode ser uma cor diferente. Eu não sei se loiras se divertem mais porque eu sim, morena, me divirto muito mas é sempre bom mudar um pouco.

Qual foi seu último alarde fashion?
Foi em Chicago e eu estava passando na loja da Dior e tinha essa linda bolsa. Então eu entrei planejando só dar uma olhada. É assim que começa, mas eu acabei comprando essa bolsa vermelha da Dior com listras. Foi muito legal. Então, é claro, eles me convenceram a comprar esse suéter da Dior e camiseta, mas principalmente a bolsa. As bolsas são muito fofas.

Qual seu produto sagrado no momento?
É de uma linha chamada Biologique Récherche. Eu fui em um spa em New York e eles vendem essa linha. Meu produto favorito é o Toner de fator 50. Eu juro. A única coisa é que fede muito. Tem phenol então não cheira bem. Você coloca antes da loção e aparentemente, você usa por um ano, e sua pele se transforma.

Se você tivesse que usar uma cor pelo resto do ano, qual seria?
Seria preto porque é praticamente meu guarda-roupa inteiro. Eu sinto que é uma cor pra todo momento e todo mundo fica ótimo em preto.

Você tem o maltipoo mais fofo chamado Elvis que tem seu próprio Instagram. Se você tivesse que descrever o Elvis em 3 palavras, quais seriam?
Meu bebezinho Elvis é minha vida. Eu sou a doida dos cachorros. Se eu pudesse descrever ele em três palavras, seria: indisciplinado, mimado e apaixonado. Ele é muito doce. Eu nunca tive um cachorro que te deixa segurar ele como uma boneca. Ele ama deitar junto comigo e tem que estar no meu colo todo o tempo. Ele é a coisa mais doce e melhor coisa do mundo.

O que você gosta de fazer nos dias que não está trabalhando ou gravando?
São sempre essas perguntas que me fazem perceber “Eu preciso de hobbies.” Mas eu gosto de sair. Eu vivo em LA, então está sempre lindo na rua. Eu gosto de caminhar e eu sou uma dessas doidas que gosta de malhar. Isso é meio que minha terapia. Eu gosto da SoulCycle, e então eu malho com um treinador e saio para correr.

Então eu gosto do oposto disso. Eu assisto qualquer coisa e tudo na TV. Se eu tenho um tempo livre, eu vou para o Tennessee. Eu sou muito próxima da minha família então é divertido pegar um vôo para casa para o fim de semana. Mas além disso, eu faço coisas de pessoas normais, como ir no mercado. Eu amo fazer compras no mercado. Eu tenho que olhar todas as prateleiras.

Você tem alguma obsessão musical no momento?
O novo álbum da Kasey Musgraves, Golden Hour é muito bom. É como um sonho de qualquer compositor. Ela é tão legal, como se o country convencional se encontrasse com um sentimento retrô psicodélico e eu acho que tudo que ela faz é incrível e eu recomendo muito esse álbum para qualquer um. Então, tem também o LAUV, que é um ótimo compositor. Tem uma vibe mais pop e soul. São meus dois favoritos no momento.

O que você mais gosta de ser parte da Modeliste Magazine?
O que eu mais amo é obviamente os locais maravilhosos que eles escolhem para as sessões de fotos; Eu sei que a Shay pode fotografar em locações incríveis e qualquer desculpa para eu ir para a praia é maravilhoso. A moda também é incrível. Modeliste tem esse estilo – lindas sessões de fotos, lindas roupas e eu estou honrada de estar na capa.

Confira os scans da revista clicando nas miniaturas abaixo:

modeliste2018scan-002.jpg modeliste2018scan-010.jpg modeliste2018scan-005.jpg modeliste2018scan-014.jpg

Confira abaixo a entrevista em vídeo:


 

Como já havia sendo especulado por vários sites entendedores de séries, Life Sentence estava com a corda no pescoço desde sua estreia no início de março no canal americano CW. A série não alcançava nem um milhão de telespectadores durante suas exibições nas quartas feiras. A emissora então resolveu dar um hiato de duas semanas e retornar a transmissão nas sextas feiras para tentar salvar a série, novamente sem sucesso.

Hoje, Lucy Hale divulgou uma carta aberta em suas redes sociais onde comunicava o cancelamento, confira abaixo:


“Acabei de receber a triste notícia que Life Sentence não voltará para uma segunda temporada. Eu estava conectada emocionalmente com essa história e com todos os envolvidos então ainda estou meio chocada no momento, mas me sinto afortunada que pudemos contar essa linda história. Às vezes as coisas não funcionam com o público e as séries simplesmente não funcionam, mas estou muito orgulhosa de onde chegamos e pela experiência que tivemos. Life Sentence foi uma série que muitos de nós precisávamos e eu sou muito grata a todos que deram uma chance a série. Em algum lugar no universo, os Abbotts vão continuar suas vidas disfuncionais e Stella vai continuar sendo uma menina sonhadora. Esse capítulo está sendo concluído antes do que eu gostaria, mas estou tirando isso como uma lição de vida. As coisas nem sempre funcionam a nosso favor e depende de nós o que faremos com isso. Foi um ano maravilhoso para mim e eu gostaria de agradecer o apoio que venho recebendo! Amor, amor, amor à todos vocês. Criamos algo importante e puro e nenhum cancelamento vai tirar isso de nós. “

Sentimos muito pela Lucy e por todos que trabalharam tão duro para que Life Sentence acontecesse. Agora nos resta saber o que Lucy fará a seguir. Fiquem ligados em nossas redes sociais. 🙂

A primeira temporada de Life Sentence conta com 13 episódios, exibidos toda sexta feira, às 22h (horário de Brasília), no canal americano CW.

Depois de anos sem notícias, Dude finalmente será lançado. A Netflix comprou os direitos do filme, que estará disponível para streaming no dia 20 de abril. Confira o trailer legendado:

 

Lucy concedeu uma entrevista ao site Kidzworld durante a divulgação de seu novo filme, Truth Or Dare, para conversar sobre o filme, Life Sentence e mais. Leia traduzido abaixo:

Lucy Hale, usando um vestido roxo, sentou com jornalistas em LA para falar sobre seu nome filme de terror, Truth Or Dare, baseado no famoso jogo. A loira interpreta uma jovem viajando com os amigos para o México quando o jogo se transforma em um desafio de vida ou morte. Alguém… Ou algo, pune severamente aqueles que mentem ou se recusam a fazer os desafios.

Lucy admite que ela é uma grande fã de filmes de terror e está feliz de usar elementos da sua antiga série PLL e expandí-los para as telonas em seu primeiro filme como protagonista pro cinema. Ela também seguiu em frente com sua série na CW, Life Sentence, onde ela interpreta Stlla Abbott, uma jovem que é curada do câncer terminal e prcisa aprender a viver com as escolhas que fez quando decidiu viver como se estivesse morrendo.

Leia o que Lucy tem a dizer sobre seu novo filme, nova série e sua família no Tennessee.

Pergunta: Esse é um filme muito assustador. Acho que é seu primeiro filme de terror certo?
Lucy: É. PLL definitivamente me preparou para isso porque tinham partes na série que eram parecidas com um filme de terror mas, sim, não foi o primeiro filme de terror que fiz mas meu primeiro como protagonista. Foi muito divertido de gravar, com um contexto bizarro e eu gosto de fazer coisas estranhas e bizarras, então eu sabia, depois de ler, que era algo que eu queria fazer parte.

P: E vai ser lançado na sexta feira 13 (nos EUA)!
Lucy: (Risos) Sim. O dia perfeito.

P: Então, você tem alguma superstição?
Lucy: Não muitas. Mas, quando mercúrio está invertido, você tem que ter cuidado com várias coisas. Eu entendo um pouco de astrologia mas eu não evito gatos pretos ou algo assim. Eu não sou tão supersticiosa.

P: Você já era familiarizada com o jogo de verdade ou desafio? Você já jogou?
Lucy: Oh sim. Acho que verdade ou desafio é um desses jogos que você ouve o nome e imediatamente é levado ao ensino fundamental quando você jogava com os amigos. Acho que isso é o legal de tudo. É muito nostálgico e todos provavelmente já jogaram em algum momento da vida. Eu era uma criança muito envergonhada e eu não acho que eu joguei muito. Obviamente, fizemos desse um jogo mortal de verdade ou desafio. Mas o que é legal é que você provavelmente entra no filme lembrando de quando você jogava quando era mais jovem.

P: Sua personagem em Truth Or Dare tem medo durante o filme. É emocionante e ela está passando por essas coisas com seus amigos. Como foi manter esse nível de energia e o que o elenco fez para manter isso?
Lucy: Foi um desafio. As apostas são altas todo o tempo então estávamos constantemente nos lembrando do cenário e qual era a aposta. Mas porque era uma gravação curta, e tínhamos que nos mover rápido, não teve tempo para cena por cena. Então, isso nos ajudou porque estávamos correndo para ter certeza que tínhamos tudo e acho que isso só aumentou a energia no set para todos nós.

P: Você é uma fã de filmes de terror?
Lucy: Eu sou. Desde que eu lembro eu sou uma fã de filmes de terror, até quando eu era bem pequena e provavelmente nem deveria estar assistindo. Mas eu amo a Blumhouse. Eu amo os riscos que eles correm. Eu amo que eles fazem filmes que ninguém está fazendo e vão atrás. Obviamente, eles tão pessoas adoráveis e me deram um emprego então eu sou muito grata. Mas sim, o primeiro Atividade Paranormal, é um dos meus filmes favoritos.

P: Você gravou tudo no México?
Lucy: Fizemos uma viagem ao México para nos conhecermos, antes de começar a gravar. Tem uma sequência de todos nós no telefone no filme. Aquilo fomos nós durante a viagem. Mas eu não acho que sabíamos naquela época que essas gravações seriam usadas. Acho que foi um bom toque. Fez parecer que somos amigos mesmo. O filme quase começa como um documentário, o que eu acho que é legal. Te leva pra dentro do filme. Mas o resto foi gravado em LA parecendo que era o México.

P: Você conhecia algum dos seus colegas de elenco ou vocês se tornaram amigos enquanto trabalhavam juntos?
Lucy: Eu conhecia o Tyler Posey através de amigos e de vista e eu conhecia o Sam Lerner que faz o Ronnie. Eu adoro o Sam demais. Eu conheço ele há um tempo mas acho que todos os outros foi o primeiro contato. Nós nos demos bem super rápido e a química estava lá desde o começo o que obviamente deixa mais fácil filmar com pessoas que você gosta de estar rodeado.

P: Teve algo particularmente complicado para você nesse filme? Que cena fica na sua cabeça depois de filmar?
Lucy: Bom, eu não me identifico com nada disso, da história. Nada disso aconteceu comigo então você tem que criar as histórias na sua cabeça. É uma lembrança constante de que ‘Você vai morrer se não fizer isso’, então foi isso. Mas tiveram cenas que exigiram muito fisicamente, como a cena da cobertura. Levou quatro dias e tiveram muitas gravações com drone e nós correndo em volta da casa. Essa foi provavelmente a cena mais complicada que fizemos.

P: Você tem uma série nova, Life Sentence. É diferente, fazer uma nova personagem depois de todo o tempo em PLL?
Lucy: É sim. Eu sabia, que depois de PLL eu queria fazer algo realmente diferente porque eu vivi nesse mundo por oito anos e eu sabia que queria mudar um pouco. Mas o que me levou a essa série foi essa linda história de uma menina que ganha uma segunda chance na vida e tem que descobrir quem ela é e tomar conta da família. Se torna uma história de amadurecimento para todos porque quando alguém fica doente, obviamente afeta todos ao redor, quando alguém é curado, muda tudo novamente. Eu pensei que era muito divertido e doce. É diferente e assustador ter essa nova série e dar ela ao mundo sem saber o que vai acontecer depois. Mas vem sendo recompensador e eu estou feliz de ter decidido ir nesse caminho.

P: Você é originalmente do Tennessee. Você volta para casa?
Lucy: Todo o tempo. Eu estava lá fim de semana passado. Eu tento ir todo o mês. É ótimo. Eu sou muito próxima da minha família. É ótimo falar tipo ‘Oh. É assim que as pessoas vivem. Isso é legal’ e eu tenho duas sobrinhas que eu sou muito próxima.

P: Você já terminou de gravar Life Sentence?
Lucy: Terminamos a primeira temporada e estamos esperando para saber sobre a segunda temporada, então é um jogo de espera divertido, não saber o que vai ser da sua vida no próximo ano. Acho que vamos saber o que acontece em maio.

P: E você tem um filme na Netflix?
Lucy: Sim. Eu tenho um filme na Netflix chamado Dude, que vai ser lançado dia 20 de abril, que eu gravei há dois anos atrás e é um filme bem específico então levou um tempo para achar uma casa mas Netflix realmente gostou e vai lançar.

P: Você atua a maior parte da sua vida e você começou bem jovem…
Lucy: Sim, no American Juniors de 2003. Eu tinha 13 anos mas venho trabalhando consistentemente desde que eu tinha 15 ou 16;

P: Você tem um mapa do que você quer fazer e quando fazer ou só vai na onda?
Lucy: Qual é aquele ditado ‘A vida acontece enquanto você faz planos?’ Não. Eu não tenho tudo mapeado. Eu gosto de correr riscos e isso é como uma escada. Eu trabalhei duro e conheci mais pessoas e mais portas se abriram. É por isso que amo meu trabalho. Você nunca sabe o que vai fazer no dia seguinte e isso é excitante para mim. Eu vou ver o que acontece de agora em diante.

P: O que você quer que as pessoas tirem desse filme?
Lucy: Esse filme é um momento bom, uma aventura para assistir. Tem momentos que são muito divertidos e momentos que são sinistros. Apenas vá, se divirta e se perca nele. Acho que é um bom filme para entrar dentro. Espero que goste.

Fonte: Kidzworld

Lucy concedeu uma entrevista ao Washington Square News onde conta mais detalhes de sua personagem, Olivia, em Truth Or Dare. Confira traduzido abaixo:

Imagina suas férias darem o máximo possível de coisas erradas. A imagem mental pode dar uma dica do que esperar com o último filme da Blumhouse, Truth Or Dare. Depois de um sinistro jogo de verdade ou desafio em uma igreja abandonada com um estranho deixa um grupo de formandos com um demônio em suas colas. Amizades, relacionamentos e segrefos são testados enquanto os amigos lutam por suas vidas.

Os atores Lucy Hale e Tyler Posey conversaram com a WSN sobre fazer esse filme e o que os diferencia dos outros do gênero.

Hale mencionou que sua personagem em PLL e Truth Or Dare compartilham de várias qualidades, são amigas leais e bravas aliadas. Essas características são importantes quando o triângulo amoroso entre Olivia, Markie e Lucas começa.

“Ela tem mais medo de perder Markie como amiga,” Hale conta ao WSN. “Acho que essa é a razão pela qual ela nunca tentou nada com o Lucas… Ela coloca todos acima dela mesma. Mas eu acho que tem uma parte dela que está animada que o jogo expõe esse segredo e a desafia a ir atrás do Lucas porque se não fosse assim, nunca ia acontecer.”

Terror pode não ser o gênero mais intuitivo para improvisação no set, mas o balanço de humor e terror em Truth Or Dare deixaram os atores colocar seus próprios movimentos na história.

Hale compartilhou mais detalhes da sua personagem enquanto conta o que a levou a esse script. O trauma psicológico de Olivia é seu maior medo no jogo e ela é colocada a completar um desafio com consequências fatais. Essa escolha de sutileza no filme é o que Hale achou mais atraente, e Posey concorda.

“Eu gosto quando os filmes mexem com a sua cabeça, é mais sinistro assim,” Posey diz.

Quando perguntados quais tipos de filmes eles gostariam de fazer no futuro, os atores deram detalhes de seus processos profissionais.

“Para mim não interessa se é TV ou filme ou o gênero que for,” Hale diz. “Eu só quero tentar coisas novas e coisas que me parecem desafiadoras e o que eu amo sobre Truth Or Dare é que tem uma protagonista feminina forte e precisamos mais disso. Eu estava muito animada de poder interpretar essa personagem. Para mim, foi o mais atraente em Truth Or Dare.”

Fonte: Washington Square News