O site Variety fez uma entrevista com o elenco e equipe de Pretty Little Liars, onde eles relembram momentos marcantes durante os sete anos que gravaram a série. Confira traduzido abaixo:

Após sete temporadas, quase 160 episódios, inúmeros suspenses e muitos não-spoilers, Pretty Little Liars está chegando ao fim. O hit da Freeform encerra seu capítulo final na noite de terça com uma finale de duas horas – o que significa que –A finalmente será revelado. Sim, realmente. Dessa vez, é pra valer.

Antes da grande revelação, a Variety conversou com o elenco e com os produtores de Pretty Little Liars pela última vez.

Continue lendo para descobrir os casais, cenas de morte e pegadinhas de A favoritas do elenco, do que eles mais vão sentir falta na série e o que vem por aí…

Se você pudesse ter interpretado outro personagem, quem seria?

Lucy Hale (Aria): Provavelmente a Mona. Ela tinha tantas personalidades diferentes, mas a Janel a interpretou lindamente.

Troian Bellisario (Spencer): Aria. Quanto mais eu penso nisso, o relacionamento entre a Aria e o Ezra passou por coisas muito divertidas.

Shay Mitchell (Emily): Eu provavelmente escolheria a Hanna ou a Aria pelo figurino das duas. Saltos e vestidos são muito mais o meu estilo, diferente dos moletons e tênis da Emily.

Janel Parrish (Mona): Na verdade eu fiz as audições para ser a Spencer, e acho que teria sido muito legal interpretar ela. Eu amo como ela é sempre a líder e a detetive do grupo. 

Ian Harding (Ezra): Spencer. Porque quem não quer ser o cérebro do grupo?

Andrea Parker (Jessica/Mary Drake): Felizmente para mim, eu já tive a oportunidade de interpretar um segundo personagem, a Mary Drake, então estou satisfeita. Mas uma vez eu perguntei para a Marlene sobre a tia Carol…

Oliver Goldstick (produtor executivo): Está de brincadeira? Quando você é o escritor, você interpreta todos eles. Atrás de uma porta fechada, é claro – caso contrário, família e amigos vão achar que você precisa ser medicado.

Joseph Dougherty (produtor executivo): Mona. Porque ela sabe tudo.

Charlie Craig (produtor executivo): Mona. Ela sempre esteve envolvida de alguma maneira com tudo o que estava acontecendo.

Marlene King (criadora): Jessica e Mary Drake, porque interpretar duas pessoas na mesma cena é muito divertido.

Que casal você mais shippa?

Lucy Hale: Ezria — possivelmente estou sendo um pouco tendenciosa. 

Shay Mitchell: Vou ter que dizer Emison.

Janel Parrish: Haleb! Sempre foi e sempre será. A química entre eles é maravilhosa.

Ian Harding: O meu. Dã. Mas eu amo a história da Alison e da Emily.

Keegan Allen: Spencer e Tobias… dã.

Andrea Parker: Eu shippo todos os casais originais, mas sou a capitã do time Emison!

Oliver Goldstick: Eu shippo todos os casais, mas provavelmente Haleb.

Joseph Dougherty: Emily e Paige — pronto, falei.

Charlie Craig: Haleb — quer dizer, quem não shippa?

Marlene King: Não posso responder isso. Uma mãe não escolhe o seu filho favorito.

De qual personagem morto você mais sente falta?

Lucy Hale: Charlotte.

Troian Bellisario: Jessica DiLaurentis.

Shay Mitchell: Essa é difícil — alguém realmente morre em Rosewood?

Janel Parrish: Detetive Wilden. Ele sempre foi muito intrigante e assustador.

Ian Harding: Eu! Espera…

Keegan Allen: Algum personagem morreu?! Eles não voltam sempre em algum flashback?

Andrea Parker: Senhora DiLaurentis, é claro!

Oliver Goldstick: Alguém está realmente morto em Rosewood? Essa é difícil, mas provavelmente a mãe da Alison, sra. D — Tippi, o papagaio, fica em segundo.

Joseph Dougherty: Tippi, o pássaro. Não, espere, o Tippi ainda está vivo e cantarolando em algum lugar. Acho que, por ter tornado as coisas mais difíceis para a Emily, Maya.

Charlie Craig: Noel Kahn.

Marlene King: Difícil. Sinto saudades da Jessica. O que pode ser, em parte, o motivo pelo qual criamos a Mary.

Qual é a sua pegadinha de –A favorita?

Lucy Hale: O porco no porta-malas foi bem horrível

Troian Bellisario: A casa de bonecas.

Shay Mitchell: Uma que sempre se destacou para mim aconteceu no início da série, quando a Emily foi comer na escola e todas as letras do cereal de letrinhas eram “A’s” – eu sempre amei essa.

Janel Parrish: São tantas – mas acho que a casa de bonecas. O que pode ser pior? Foi a coisa mais doente que –A já fez.

Ian Harding: Eu amei quando –A conseguiu colocar só letras “A’s” na caixa de cereal e, de alguma maneira, entregar ela para a Emily. Hilário e cruel.

Keegan Allen: Primeira temporada. –A era louca de todas as maneiras.

Andrea Parker: Você terá que assistir à finale!

Oliver Goldstick: Difícil. Tenho tantas favoritas. Dopar a Emily através de uma pomada muscular, trancar a Spencer em um camarim minúsculo com uma cobra venenosa, dar uma massagem na Emily e deixar a inicial “A” no copo de água, contratar um garotinho chamado Seth para interpretar um vidente assustador em uma loja de bonecas. Tenho muitas outras, mas vou calar a boca agora.

Joseph Dougherty: Colocar um corpo no caixão cheio de gelo do episódio “This is a Dark Ride”, de Halloween.

Charlie Craig: Eu amo o cereal de letrinhas cheio de “A’s”. Mas essa ideia foi minha, então sou suspeito para falar.

Marlene King: Foi horrível de assistir, mas muito memorável quando –A forçou Hanna a comer todos os donuts. 

O que vocês farão em seguida?

Lucy Hale: Atualmente, estou filmando o filme “Truth or Dare” (Verdade ou Consequência), da produtora Blumhouse. Depois, começo a produzir minha nova série da CW, “Life Sentence”, em agosto. Ela será lançada em 2018!

Troian Bellisario: Estou muito animada para o lançamento do primeiro filme que eu escrevi e estrelei, chamado “Feed”. Espero fazer mais filmes e voltar aos palcos.

Shay Mitchell: Eu participei de um filme de suspense chamado “Cadaver” que será lançado no ano que vem. E, é claro, amo viajar e documentar tudo para o meu canal no YouTube.

Janel Parrish: Tenho alguns projetos divertidos planejados, mas não posso anunciá-los ainda!

Tyler Blackburn: Tenho um filme chamado “Hello Again” em exibição em festivais de cinema no momento. Estou muito orgulhoso. Pude interpretar um personagem extremamente diferente de Caleb Rivers, e me desafiei como ator e artista. O filme é um musical e tem muita paixão por trás de cada cena.

Ian Harding: Espero estar empregado? Mas sério, apesar de ter algumas coisas sendo preparadas no mundo da TV, estou trabalhando em ter uma vida fantástica! Espero que minha carreira me acompanhe nessa aventura.

Keegan Allen: Estou trabalhando em muitos projetos, conhecendo fãs através das turnês do meu primeiro livro, “life.love.beauty”, e trabalhando no meu segundo livro de fotografia.

Andrea Parker: Depois de todos esses anos de drama intenso, estou procurando uma comédia.

Oliver Goldstick: Estou escrevendo e sou produtor executivo de uma série nova, com a amável Lucy Hale, chamada “Life Sentence”. Ela é maravilhosa no papel principal. Me sinto como um pai orgulhoso, porque assisti a essa jovem atriz se desenvolver e amadurecer – e, dessa vez, não precisamos trancar ela em um caixão com um corpo.

Joseph Dougherty: Escrever!

Do que você mais vai sentir falta?

Lucy Hale: Pode soar clichê, mas vou sentir falta do ambiente confortável, divertido e relaxante que criamos no set.

Troian Bellisario: Do sentimento de conforto no set com aquela equipe. E do sentimento de família.

Shay Mitchell: Vou sentir falta de trabalhar com os meus colegas de elenco e equipe, que se tornaram família para mim. Nos últimos sete anos, eu passei mais tempo com eles do que com a minha família!

Janel Parrish: Do elenco e da equipe. Que família nós criamos.

Tyler Blackburn: Vou sentir falta dos relacionamentos que se desenvolveram ao longo dessas sete temporadas, com o elenco e com a equipe. Tínhamos um grupo maravilhoso. Todos se apoiavam demais. Era seguro e feliz. 

Ian Harding: Do elenco e da equipe. Era uma alegria trabalhar naquela série todos os dias. Mesmo nos piores momentos, eu ainda preferiria aquele do que qualquer outro set.

Keegan Allen: Da conexão entre nossos personagens, que levou anos para ser construída, e de como isso se refletiu no set.

Andrea Parker: Fácil. Vou sentir falta da interação incrível que eu tinha com os fãs da série e com a paixão deles pelo mundo criado pela Sara, pela Marlene e pelo resto da família PLL.

Oliver Goldstick: Provavelmente de toda a camaradagem e atmosfera familiar promovida por produzir uma série de sucesso, gravada no maravilhoso lote da Warner Brother. Sentirei saudade da paixão dos nossos telespectadores dedicados – estranhos em outros países que enlouqueciam quando ouviam que eu trabalhei em PLL. Uma oficial do controle de passaportes do Reino Unido ameaçou não me deixar entrar na Inglaterra se eu não dissesse a ela quem era –A.

Joseph Dougherty: A vila criativa de pessoas que se juntaram para contar essas histórias.

Charlie Craig: A camaradagem da equipe e do elenco. Nunca estive em uma série onde todos os envolvidos eram considerados família. É a melhor experiência que tive na minha carreira.

Marlene King: Sentirei falta da minha família de PLL.

Tradução/Adaptação: Eduarda Pereira – Equipe Troian Brasil
Fonte: Variety